Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
0

Resenha #396: É Assim Que Acaba - Colleen Hoover

Título: É Assim Que Acaba
Título Original: It ends with us (2016)
Autora: Colleen Hoover
Tradução: Priscila Catão
Editora: Galera Record
Edição: 1
Ano: 2018
ISBN: 9788501301642
Gênero: Romance norte-americano / literatura americana /
Páginas: 368

Avaliação: 





Resenha




Intenso. Doloroso. Real.

     É Assim Que Acaba é um romance que mostra de modo verdadeiro as complicações de relacionamentos que podem culminar em atos de violência. Uma  leitura que apresenta verdades que precisam ser vistas e discutidas com urgência.
"As coisas não deveriam ser assim. Durante toda a vida, eu sabia exatamente o que fazer se um homem me tratasse como meu pai tratava minha mãe. Era simples. Eu iria embora, e aquilo nunca mais se repetiria. Mas eu não fui embora. E agora aqui estou: com machucados e cortes pelo corpo, causados pelo homem que deveria me amar. Causados por meu próprio marido. E, ainda assim, tento justificar o que aconteceu."
Lily Bloom finalmente começou a realizar seus sonhos: formada em Marketing, morando em Boston uma cidade incrível e cheia de oportunidades e abrindo sua própria loja, enfim tudo que ela sempre desejou. Com uma infância difícil,  ela teve que ser forte para suportar as dores inesperadas e ter fé de que as coisas iriam melhorar. Com a ajuda de um amigo ela consegui passar por essa fase complicada e dar a volta por cima, mesmo que sua memória ainda guarde as lembranças daqueles tristes dias , ela seguiu em frente apesar de tudo.

Com a vida passando por belas transformações, Lily conhece Ryle Kincaid que parece ser uma ótima pessoa. Quando a aproximação entre eles vai ficando cada vez mais próxima, Ryle , que deseja ser transparente, diz que tem medo de relacionamentos e ele prefere ir com calma. Ele é neurocirurgião e sabe que uma relação estável pode atrapalhar sua carreira.

Após um tempo se conhecendo, não ficarem juntos seria impossível e com o amor crescendo a união deles fica cada vez mais forte. Com uma relação que se encaixa e da certo, Lily sente que sua vida está se completando ainda mais. Porém, quando Ryle começa a ter comportamentos estranhos e Atlas, uma peça importante do seu passado, reaparece na vida de Lily tudo que ela vem construindo pode desmoronar.
"Não existem pessoas ruins. Todos somos humanos e, às vezes, fazemos coisas ruins."
Quando vemos que a Colleen Hoover vai lançar um novo livro, só podemos esperar o melhor. Esta é a segunda obra que leio da autora e afirmo com toda convicção que as narrativas que ela cria apresentam intensidade e discussões extremamente importantes, são mais que mera literatura de entretenimento.

Nesse livro, encontramos uma protagonista forte e que não desiste. Lily carrega as marcas da dor, e cada uma de suas cicatrizes as lembram de como é guerreira e as tornaram uma pessoa melhor.
Quando vemos alguém passar por coisas desagradáveis, jamais imaginamos que aquilo pode acontecer conosco e se acontecer achamos que teremos atitudes deferentes, mas na realidade nada acontece como planejamos. É fácil julgar a escolhas e atitudes do outro quando estamos de fora dos acontecimentos e muito doloroso quando vivenciamos a repetição de uma história triste, sem conseguir mudá-la de imediato como gostaríamos.
A protagonista cresceu em um lar problemático devido ao seu pai agressivo. Por essa razão Lily sempre acreditou que por ela já ter presenciado episódios de violência estava preparada para tomar atitudes diferentes das de sua mãe, se porventura isso ocorresse com ela (por mais que ela não esperasse).

A forma como a CoHo soube conduzir o tema proposto é maravilhoso, pois ela não abusa de exageros e mostra como o agredido tenta achar uma forma de justificar o injustificável, na busca de compreender o que aconteceu. Ela mostra que dependendo da nossa vivência e experiências, teremos respostas distintas diante do que nos acontece e isso não quer dizer a pessoa concorda com aqueles atos.
"Penso que, às vezes, por mais que você esteja convencida de que sua vida vai seguir determinado rumo, toda a certeza pode sumir com uma simples mudança de maré."
A narrativa é bem construída, e com personagens  muito reais, gente como a gente. Entre tantas personalidades distintas e cheias de caráter, Atlas foi o que mais me ganhou (juntamente com Lily), ele tem uma história linda e inspiradora, de superação e insistência que nos faz ter vontade de melhorarmos e repensarmos nosso modo de ver as coisas e agradecer mais por tudo que temos.

O fato da autora trazer para esse livro suas experiências pessoais deixam a narrativa mais próxima de nós e eu como já vivenciei o tipo de violência descrito na história, me sensibilizei muito e chorei em muitas cenas, sendo impossível não favoritar.
As questões levantadas com esse enredo são polêmicas e necessárias, nos partem por imaginamos a quantidade de pessoas que passam por situações iguais e até piores das que são retratadas no livro.

Dor, amizade, superação e uma grande dose de realidade permeiam as páginas de É Assim Que Acaba, uma narrativa que invade o leitor e nos desperta sentimentos de empatia e força mostrando que é necessário prosseguir após grandes perdas e lutas.

Resenhado por:
Wesley Ítalo 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário!