As 'Flores', de Afonso Cruz

    'Flores' é um daqueles títulos que fazem uma ótima ligação com o projeto gráfico da obra, principalmente a bela arte que a Companhia das Letras usou na edição brasileira, com colagens de flores e o pequeno detalhe do recorte da capa em formato de uma flor.

     O livro começa com o enterro do pai do protagonista que nos descreve, em primeira pessoa, o funeral e a dor que a sua mãe sente ao notar o esposo dentro do caixão, mostrando como a imagem real reforça ainda mais o sentimento de ausência e perda.

     Nosso narrador, um jornalista casado e pai de uma filha passa então a notar o comportamento dos vizinhos e é quando joga o olhar no Sr. Manuel Ulme, um homem que perdeu a memória em consequência de um aneurisma. Ele não se lembra de quando era criança ou de já ter visto uma mulher pelada em sua frente. Comovido com a história, o narrador decidi ajudar o Sr. Ulme a recuperar a memória perdida. Assim, faz um trabalho de pesquisa empírica em visitas na aldeia que trará de volta a identidade do vizinho esquecido. Essa ideia revela então uma uma dualidade: de que o senhor foi um bom homem, no entanto, se entregou a perversidade das paixões. 
"Creio que o guarda-chuva é uma excelente invenção. Repare: não é um objecto que evita a chuva individualmente. Não gosto dela, mas não acabo com ela, não a destruo. O guarda-chuva é uma filosofia que usamos no quotidiano. A água continua a cair nos campos, apenas evito que me estrague o penteado. É um objecto bondoso, que não magoa ninguém."
     Na medida que vai entrando na vida do outro, o narrador se ausenta de seu casamento que passar por um momento turbulento. E como não bastasse isso, sua filha presencia um momento de traição que acaba por abalar a relação de pai e filha.
     Afonso Cruz é um dos grandes nomes da literatura portuguesa contemporânea com uma obra vasta que passa o númeno de 25 livros publicados. Em Flores, ele traz uma narrativa envolvente, abordando a captura da memória que se perdeu. Seria possível fazer esse resgate e como introduzi-lo novamente a mente em que se ausentou? De que forma isso pode contribuir para um idoso que já está a caminho da morte? São perguntas que permeiam nossa mente durante a leitura e que nos move ao longo do romance. Embora o livro não seja apenas isso, quando nos mostra as relações amorosas que já não possuem o mesmo ardor que inicialmente... e as relações que se perderam, mas que nunca deixaram de inflamar um sentimento reciproco.

    Além do mais, há uma importante reflexão sobre a banalidade das tragédias no mundo, onde o mundo está cada vez mais liquido e as catástrofes são tantas que ficamos perdidos, sem ter tempo para sentir compaixão por cada uma delas.
“As mães são as fiéis depositárias da nossa infância, dos primeiros anos. As tuas memórias mais importantes, mais formadoras, não são tuas, são dela. E quando a tua mãe morrer, levará consigo a tua infância, perderás os primeiros anos da tua vida. Por isso, trata-a bem.”
      Em alguns momentos o personagem principal tem diálogos, consigo mesmo e sem sentido, com o espelho, algo que não consegui compreender bem o que o quis dizer. O autor introduz essas passagens, mas não chega a desenvolver bem, fica sem um proposito ao menos aparente.

     Com capítulos curtos, Afonso Cruz escreve um bom livro e nos traz o sentimento de que sempre podemos ir mais adiante na vida, em nossas atitudes e como diria o senhor Ulme, "sempre mais fundo na espessura das coisas.".
Para quem deseja conhecer um novo autor português, está mais do que recomendado.



Ficha técnica

 Título: Flores
 Autor: Afonso Cruz
 Editora: Companhia das Letras
 Edição: 1
 Ano: 2016
 ISBN: 9788535927252
 Gênero: Literatura portuguesa / Romance
 Páginas: 272

Avaliação: 

Resenha de número 385

22 comentários:

  1. Tudo bem?
    Não conhecia esse livro. E pela capa, jamais imaginaria um enredo como esse. A princípio não me interessei pela história.
    Esses monólogos ou diálogos consigo mesmos são coisas que me entendiam bastante. Ainda mais você relatando que ficaram sem sentindo e ainda te deixaram sem uma compreensão clara.

    Passo a dica.
    Obrigada.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  2. Pelos trechos que você colocou, acredito que o livro tenha continuado em português de Portugal, né? Fico louca com isso, não consigo ler... Rs... Mas, de qualquer maneira, a premissa não me interessou, tenho a impressão de que eu ficaria meio perdida, e não só por causa dessas passagens que voce não conseguiu encontrar um propósito aparente. Vou passar a dica dessa vez.

    ResponderExcluir
  3. Eu lembro de ter visto a capa desse livro por aí, mas não sabia nada sobre ele e adorei poder conferir a sua resenha e conhecer um pouco sobre a obra. Uma ótima dica!

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem? Está ai um livro que eu vi a resenha no canal da Tati e fiquei curiosa para ler mais sobre ele, principalmente por amei a capa! Lendo a sua resenha percebi que teria dificuldades em continuar a leitura do livro mesmo, ele parecendo tão interessante no primeiro momento, mas, a parte dos diálogos me deixaria extremamente cansada e fadigada com a história. Amei a sua resenha, sempre muito sincera!

    PS: Amei cada uma das fotos que você tirou, parabéns pela criatividade!

    Beijos e Abraços Vivi
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
  5. A arte do livro é linda, nostálgica, mas linda. Nunca li nada do Afonso, mas o livro em questão me parece ser uma trama bem complexa, mas acho interessante a reflexão contida na obra, ainda mais quando falamos de algo iminente como a morte. Vou anotar o nome do autor, espero ter a oportunidade de ler algo dele.

    Abraços.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Oiieee

    Tua resenha me fez lembrar daquele ataque terrorista que houve há pouco tempo na Espanha. As pessoas ao invés de ajudar ficavam tirando selfies e fotos dos ferios pra postar nas redes. Ai a gente via e se perguntava: Gente, cadê a compaixão? e realmente só dá pra concluir que é tanta tragédia que a gente acaba ficando perdido e banalizando a coisa toda, normalizando o que deveria ser sempre considerado anormal. Adorei essa reflexão que o livro trás. E essa capa é linda demais, capricho da editora.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  7. Não lembro de ter visto este livro, mas gostei, até por vir de um autor novo. Vou anotar a dica.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir
  8. Oi Pedro, eu não conhecia o livro, achei a capa linda. Como adoro um drama, acho que leria ele e tivesse a oportunidade, gostei muito da tua resenha e das fotos.
    Bjos
    Vivi
    https://duaslivreiras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oi! Adoro ler livros assim, que nos fazem refletir tanto sobre a nossa vida e também sobre as coisas ao nosso redor. E este parece ser um livro assim. Adorei a capa, e já quero ler também. Espero gostar.
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Não conhecia o livro ainda, mas já me apaixonei pela capa. Além disso, o enredo me interessou bastante. Vou deixar a dica anotada.

    ResponderExcluir
  11. Olá!
    Eu jurava que esse livro era de poesias, por conta do título e capa. Fiquei contente por não ser esse estilo e, principalmente, por ser um livro que traz essa reflexão tão interessante que é tão pouco abordada em livros.
    É uma dica que vou anotar, sem dúvidas.
    Amei sua resenha.
    Beijos,
    https://www.umoceanodehistorias.com/

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bem?
    Eu já tinha visto a capa dessa livro, mas ainda não sabia do que se tratava. Confesso que o enredo não combina muito com meu estilo de leitura e, por isso, não despertou minha curiosidade. Além disso, não gostei de saber que há momentos confusos em que o protagonista tem diálogos consigo mesmo, mas que o autor não desenvolve essas passagens. Acho que eu ficaria meio perdida e isso me incomodaria.
    Vou passar a dica desta vez, mas adorei sua resenha.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  13. A gente sempre escuta "Não julgue um livro pela capa", mas considerando que a primeira impressão que temos do livro é sempre a capa, não dá para não julgar por ela, né? Como você mesmo disse, os detalhes da capa desse livro estão sensacionais. É o tipo de livro que eu compraria só pela capa (sim, me julgue).
    Por outro lado, a trama do livro me chocou um pouco - mas foi uma surpresa boa. Digo isso porque não estava esperando um enredo desse para essa capa. Parece um baita de um drama, não?

    Ótima resenha. Vou anotar a dica.

    Beijos,
    Luisa
    www.degradeinvisivel.com.br

    ResponderExcluir
  14. Oi!
    Pelo que eu pude captar da sua resenha, esse livro parece trazer algumas reflexões para o leitor, apesar de algumas partes do enredo não terem ficado tão claras. Não conhecia o livro ainda, e acho que, pelo fato de ser algo totalmente diferente do que costumo ler, eu daria uma chance, justamente para me desafiar com a leitura. Além disso, a capa está linda e fiquei interessada pela premissa.

    ResponderExcluir
  15. Não conhecia o autor e sua resenha me motivou a investir nele. Agora, que capa mais linda desse livro e traz uma importante mensagem não pararmos e seguir sempre em frente.

    Bjo
    Tânia Bueno

    ResponderExcluir
  16. Olá
    Adorei esse livro, achei ele lindo por fora quanto por dentro. Me trouxe algumas reflexões sobre a vida.
    Recomendo, beijos

    ResponderExcluir
  17. Eu já vi várias resenhas sobre esse livro por ai e sempre são elogios fantásticos, eu ainda não li e na verdade por hora não é um livro que vá me fazer ler, mas futuramente quem sabe. A capa é linda isso é inquestionável e eu adorei poder conferir suas impressões.

    Beijos

    ResponderExcluir
  18. Olá, não conhecia o autor, mas achei o enredo bem interessante e parece que o autor soube construir ele muito bem *-* Além de que essa capa esta realmente linda. Adorei a dica.

    ResponderExcluir
  19. A capa da obra é linda e a premissa também é bastante interessante, mas é um tipo de leitura que não costuma me prender muito, mesmo gostando de livros reflexivos. Contudo, tentaria insistir na leitura. Acho que poderia me surpreender.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  20. Que edição lindaa! Parece ser uma trama muito interessante e reflexiva, principalmente por conta da busca pelas memórias. Eu não conhecia essa obra, mas fiquei curiosa para conferir a escrita do autor. Obrigada pela dica, bjss!

    ResponderExcluir
  21. Oieee.
    Nunca tinha visto esse livro, nem conhecia o autor.
    Valeu pela dica, estou com tantas coisas para ler e sem tempo.
    Queria conseguir ler todos os livros maravilhosos que me indicam.
    Adorei a resenha.
    Bjs Mary

    ResponderExcluir
  22. Oie, tudo bom?
    Eu amei a edição, achei bem bacana a ligação entre o título e a capa, bem bonito mesmo. Porém, não leria pois odeio quando o protagonista fala coisas sem sentido. Quando li "Menina Submersa" quase larguei várias vezes por conta disso. Então, passo a dica!

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!

Tecnologia do Blogger.