Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
9

Resenha #384: O Amor dos Homens Avulsos - Victor Heringer

Título: O Amor dos Homens Avulsos
Autor: Victor Heringer
Editora: Companhia das Letras
Edição: 1
Ano: 2016
ISBN: 9788535927719
Gênero: Literatura Brasileira / Romance
Páginas: 160

Avaliação: 






Resenha


Aos poucos, em O Amor dos Homens Avulsos, vamos adentrando no universo infantil do garoto Camilo, que divide a casa com a irmã e os pais durante a década de 1970 no bairro carioca do Queím. Os dias são habituais, principalmente os de férias onde eles torram no sol quente.  Aliás, o sol é figura presente ao longo da narrativa e, como um dos personagens, tem seu papel crucial além de definir o tom e a temperatura da obra.

Camilo, o garoto paraplégico, tem seus dias mudados a partir da chegada de Cosme, um menino negro, do qual não sabe bem de onde viera e porquê seu pai, médico, o trouxera para casa. Porém, especula que Cosme seja fruto de alguma vítima que sofrera abusos de seu pai. Essa chegada abrupta faz com que Camilo tenha desgosto do Cosme e se fecha em relação a ele. Porém, com o tempo os dois garotos vão se entendendo e a amizade parte para uma relação mais intima, de namorados. A relação dos garotos desperta, então, nos mais velhos da vizinhança um ódio que leva a ruptura precoce desse romance.

“Meu instinto inicial foi odiá-lo. Queria furar seus olhos, fazê-lo desaparecer da face do planeta. Sei lá por quê. O ódio não tem razão nem propósito. O amor tem propósito, mas o ódio não. O amor serve para a perpetuação da espécie humana, protege da esterilidade e das solidões mais fatais. O ódio é maior, tem mais tentáculos e fala com mais bocas que o amor. O amor é uma função fisiológica, o ódio é uma fome sublime e furiosa. É o motivo pelo qual somos a espécie dominante no planeta. O ódio é a perpetração da espécie” (p.16)

Intercalado com os acontecimentos da infância, temos um Camilo adulto, solitário em seu apartamento revelando detalhes da infância que até mesmo seus pais nunca chegaram a saber. Já adulto ele tem, raramente, a companhia de seu vizinho e do garoto Renatinho (filho de uma ex-empregada da casa dos pais de Camilo) e que vive encantado com as imagens e fatos que são transmitidos no aparelho televiso. Por outro lado, esse garoto também é filho do carrasco que deixou um buraco no peito do Camilo e uma cicatriz que até hoje o moldou como é atualmente.
“Um tédio as pessoas. Os artistas de TV, os filmes de ficção científica e novelas de mistério, os napoleões, os puladores de ponte e os poetas tristes…São todos só o negativo do mesmo tédio, reverso duma moeda que sempre foi fosca, puta que me parola!, que a vida de um é tudo igual à vida do outro, só muda o endereço. E não tem tanto elemento assim no universo, todos catalogáveis. Da concha ao bombardeio de Gaz tem pouca mudança. Ouve só, bomba e onda tem um marulho parecido. Entre um homem e um rato, tem somente trezentos genes de diferença. Lembro que li um dia: um exército de macacos teclando a esmo em máquinas de escrever uma hora vai acabar escrevendo um livro do Shakespeare”(p. 86-87)
A história de O Amor dos Homens Avulsos pode até aparentar ser simples, banal demais como os noticiários sensacionalista que exploram muito da violência desenfreada, mas o autor pôs tanta singeleza na sua escrita, que conseguiu torná-la mais que especial: memorável. Os elementos da narrativa são  inventivos e incrementados com ilustrações, fotográficas, o simbolo do sol e capítulos curtinhos que dão velocidade na hora da leitura. Por outro lado, mesmo sendo pequenos, esses blocos são ricos em detalhes. Na primeira parte a narrativa é em primeira pessoa sob o ponto de vista do Camilo sobre os acontecimentos do passado, na segunda parte é em terceira pessoa com o foco no Camilo do presente.
“E eu cresci mais triste que um pombo. Fiquei adulto irritado, imprestável e sujo. Meu pai repetia sempre que pombo é rato com asa, porque é cheio das doenças. Eu não tenho asa. Eu sou aquilo no qual ninguém quer pensar enquanto está almoçando. Este calor, este suor que nunca bota direito dos poros” (p.144)
Victor Henrig traz um romance inter-racial e homossexual entre dois garotos em suas descobertas tanto da sexualidade quanto do amor. Mas não de uma forma piegas, pelo contrário: madura e na medida certa que nos faz acreditar na veracidade dessa história. Até mesmo a condição de paraplégico do Camilo não é um detalhe tratado com que o leitor sinta pena do personagem central, mas pela forma triste com que a maldade dos outros afetaram esses garotos ainda na juventude. O que poderia torná-lo um sujeito revoltado e agisse de forma vingativa, porque é através disso que ele vê na oportunidade de vingança uma forma de lembrar Cosme, e é aqui que o autor nos mostrar que somente através do amor, conseguimos relevar e não perpetuar uma dor que nos fizeram. 
O Amor dos Homens Avulsos é um livro de muitos momentos tristes e marcantes e que nos trazem aqueles sentimentos de tristeza, melancolia, invalidez, mas que no fim nos traz um pouco de aconchego ao nos revelar um pouco de esperança num mundo cheio de ódio e intolerância.


Deixo esse link que pode lhe ser útil: Notas avulsas sobre O amor dos homens avulsos


VICTOR HERINGER 

Nasceu em 1988 na capital fluminense. Foi prosador, poeta e ensaísta e escreveu uma coluna quinzenal na Revista Pessoa chamada Milímetros. Em 2012, publicou seu primeiro romance, Glória, com o qual ganhou o prêmio Jabuti em 2013. Lançou também a coletânea de poemas Automatógrafo (2011), o livro de contos Lígia (2014) e a plaquete de fotos O escritor Victor Heringer (2015). Henriger faleceu março de 2018, aos 29 anos.




9 comentários:

  1. Ai que linda a capa desse livro!
    Não costumo ler muito esse gênero, mas ultimamente estou mais mente aberta para outras leituras.
    Sua resenha dicou muito boa e me deixou com curiosidade de conhecer a obra.
    Bjs
    Mary/ https://leiturasdamary.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá,
    Infelizmente é uma realidade não só no Brasil, mas no mundo inteiro. Gostei da mensagem no final da história. Estamos precisando de esperança. Mas, apesar da importância do tema, acho que faltou algo a mais para me interessar pela obra. bjs.
    Pri.
    http://nastuaspaginas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Adorei a resenha e conhecer esse livro. Acabei de ler Aristóteles e Dante Descobrem os Segredos do Universo, e estou bem na vibe de livros assim. Amei todo o contesto apresentado. Obrigada pela dica.

    Bjus** http://imagine-livros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Eu fiquei encantada com a capa desse livro, mas imagino como a leitura deve ser intensa. E deve despertar vários sentimentos enquanto lemos =/
    Mesmo assim fiquei com vontade de conhecer melhor o relacionamento dos dois e ver o desfecho. <3 Anotei a dica

    Sai da Minha Lente

    ResponderExcluir
  5. Oi, tudo bem?
    Ainda não conhecia esse livro, mas parece ser uma ótima leitura. É um tema importante e que parece que foi abordado com muita seriedade e sensibilidade pelo autor. Além disso, achei que a mensagem que o autor passa com o livro é muito bonita.
    Adorei a dica e com certeza vou querer ler.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Oiee tudo bem?
    Eu só conheci o livro esse ano, quando vi as noticias sobre o falecimento do autor, mas desde então fiquei com muita vontade de fazer essa leitura.
    Acredito que irei adorar, pelo que vi na sua resenha, que está maravilhosa, diga-se de passagem, beijoos

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Não conhecia o livro ainda, mas gostei de sua mensagem final. Vou deixar a dica anotada. Parabéns pela resenha.

    ResponderExcluir
  8. Olá, tudo bem?
    Não conhecia esse livro, parece ser uma leitura intensa e reflexiva, ando procurando ler livros diferentes e esse me deixou bem curiosa, mesmo sabendo que irei sofrer rs' Espero poder ler em breve!

    beijos!
    https://blogminhaestanteliteraria.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Oi, tudo bem? Nossa, não conhecia o livro e quero demais lê-lo. Eu adoro temáticas LGBTQ e, com certeza, leria este. Achei o plano de fundo maravilhoso, assim como a complexidade dos personagens por suas singularidades. Acho que tem tudo para ser uma leitura muito especial para mim, vou colocá-lo na minha wishlist <3 Obrigada pela sua resenha!

    Love, Nina.
    www.ninaeuma.blogspot.com

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!