Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
1

Resenha #360: Tentativas de capturar o ar - Flávio Izhaki

Tentativas de capturar o ar
Título: Tentativas de Capturar o Ar
Autor: Flávio Izhaki
Editora: Rocco
Edição: 1
ISBN: 978-85-325-3032-5
Gênero: Romance brasileiro
Ano: 2016
Página: 224
Adquira seu exemplar aqui! 

Avaliação: 


Resenha



Flávio Izhaki é um jovem autor carioca nascido em 1979 que possui uma obra bem elogiada. Participou de várias antologias de contos e escreveu os romances De cabeça baixa (2008, Guarda-chuva), Amanhã não tem ninguém (2013, Rocco) e seu último livro publicado Tentativas de Capturar o ar (2016, Rocco).
De maneira cruzada, Tentativas de Capturar o Ar traz a história de um biografo já morto, seu filho e o biografado Antônio Rascal, um escritor. Esse autor renomado, curiosamente, publicou três bons livros elogiados pela crítica, tem o melhor livro nacional dos últimos 25 anos e depois abandonou a carreira literária, sem motivos, passando 26 anos sem publicar nada (o que lembra casos como o autor Raduan Nasssa).

Em busca de respostas e com o intuito de publicar um livro, o jornalista e pesquisador Alexandre Pereira mergulha na vida de Rascal através de pessoas próximas. A pesquisa se enriquece por meio de cartas, trechos ficcionais, entrevistas, e outros da vida de Rascal.
"Desse dia em diante sempre olhei para as árvores e procurei o galho mais alto. Às vezes, fazíamos isso junto e ficávamos lado a lado durante minutos. Era um programa. Quando o vento cessava, tinha vontade de abraçar meu pai. Tenho até hoje."
Na medida que Alexandre vai adentrando na vida desse escritor, parece se aprofundar e se deixar levar por si mesmo, passando para a pesquisa também um pouco de si e se misturando com a tão procurada identidade do biografado. Mostrando o conteúdo real de Tentativas de Capturar o Ar: a busca por identidade através da memória. 
Porém, logo nas primeiras páginas, sabemos que Alexandre morre em um acidente de automóvel, deixando inconcluso o seu trabalho e uma possível confissão de um crime.
"Em algum momento você vai se decepcionar com uma pessoa, mas a culpa não será dela, mas sua."
Por meio de um jogo de espelhos, uma escrita bonita e muito bem desenvolta, o autor traz um belo romance e confirma o seu lugar entre os autores contemporâneos de destaque, nos proporcionando uma história menos obvia do que o habitual de escritores que escrevem sobre escritores. Quem diz que não há boa literatura brasileira, é porque de fato não anda lendo a nossa literatura.

Um comentário:

  1. Oie, tudo bom? Eu nunca tinha ouvido falar no livro ou no autor, mas fiquei curiosa. Me parece ser uma obra muito delicada.

    https://notasmentaisparaumdiaqualquer.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Obrigado pelo seu comentário!