Nos siga no Instagram! TOP 5: coisas para se fazer em um dia de tédio Desventuras em Série #1: Mau Começo - Lemony Snicket Resenha #229: Era dos Extremos - Eric J. Hobsbawm
0

Resenha #351 - Dumplin - Julie Murphy

TítuloDumplin
AutoraJulie Murphy
Editora: Valentina
Edição: 1
Gênero: Romance
Ano: 2017
ISBN: 9788558890311
Páginas: 336
Adquira seu exemplar aqui!

Avaliação: 





Resenha


A história de Willowdean Dickson é empoderadora, admirável e inspiradora. Nos mostra que somos capazes de fazer o que quisermos independente de quem somos, ou do que nos rotulam. A narrativa de "Dumplin" vai além de alguém gordo que se aceita e se ama, é a vida de uma garota que se recusa a se enquadrar nos padrões que lhe são impostos, inclusive por sua própria mãe. 

Will tem uma vida boa, uma ótima melhor amiga e uma mãe que é ex-miss. Ela sabe que seu corpo está acima dos padrões, mas vive muito bem com isso e não se preocupa nenhum um pouco com a balança. Mas ao começar a trabalhar em um fast-food, ela conhece Bo um garoto gentil e muito bonito que não enxerga Willowdean como os outros, e a cada dia os sentimentos dela vão crescendo por ele, principalmente quando sua amiga Ellen conta para ela que pretende perder a virgindade com seu namorado, enquanto Will ainda nem deu o seu primeiro beijo.
"Como se eu fosse uma aberração da natureza. E a verdade é que estou furiosa principalmente por ter sentido vergonha - afinal, por que deveria? Por que deveria me sentir mal só por estar a fim de cair na piscina ou de usar maiô em público? Por que deveria sentir necessidade de entrar e sair correndo, só para ninguém ver a atrocidade que são as minhas coxas?" (Pág 33) 

Só que de uma hora para outra parece que a vida de Willowdean resolveu dá uma reviravolta: ela briga com sua melhor amiga e descobre que o sentimento que sente por Bo é recíproco, e ela não sabe como lidar com isso e sem sua amiga para ajudá-la, ela fica ainda mais perdida. Um sentimento  inesperado de inferioridade alcança Will quando ela percebe que sua relação com Bo está alcançando um lugar mais sério. Ter que lidar com isso e ainda com a reação das pessoas ao vê-los juntos a deixa preocupada, o que afeta, consequentemente, ainda mais a sua autoestima. É então que a ideia mais surreal e inimaginável acontece: ela decide se inscrever no Concurso Miss Jovem Flor do Texas (no qual sua mãe já foi ganhadora) para recuperar sua autoconfiança e de quebra mostrar ao mundo que ela pode ser gorda mas que consegue  brilhar mais que qualquer magra. Nesse caminho de inícios e descobertas, Willowdean percebe como suas atitudes podem influenciar outras pessoas, e que precisamos estar sempre abertos para aquilo que a vida tem a nos proporcionar. 

Desde que vi sobre esse lançamento tive vontade de ler este livro , pois já sabia que ele iria trazer discussões muito boas.  Uma das questões que a obra aborda é o empoderamento  que a personagem principal tem e que transmite para aqueles que estão ao seu redor. O fato de ter uma mãe que é ex-miss não impede Willowdean de se orgulhar e de amar-se do jeito que ela é. A adorei Will desde as primeiras páginas! Ela é uma personagem que nos cativa a todo momento, sendo impossível não torcer por ela e sofrer junto, principalmente quando vemos que ela não é aceita estar acima do peso.
"Há momentos na minha vida em que me sinto como se já soubesse tudo, como se já tivesse explorado tudo, sem deixar pedra sobre pedra. Mas coisas assim me lembram de como o meu mundo é pequeno. (Pág 188) 
Algo que também gostei muito foi o amadurecimento que Will apresenta durante a narrativa. No início ela é só uma adolescente  tentando firmar seu lugar no mundo, buscando se achar e no decorrer da história acompanhamos este caminho de Willowdean que percebe o quanto suas escolhas são importantes para a construção de si mesmo. 

Fazer parte de uma minoria não é fácil, e a encorajadas por Will , outras garotas fora do padrão se sentiram confiantes para também se inscreverem no concurso. Assim percebemos o quando pequenas atitudes e atos corajosos podem transformar não só a nossa vida, mas como também a vida daqueles que estão próximos a nós. 

Outra coisa que a obra trabalha muito bem é a relação de amizade entre Will e Ellen. Amigas desde a infância , elas dividem o mesmo amor pela Dolly Parton, dividem os segredos até que chega um momento que elas se separam. No início é bem difícil tanto para a personagem quanto para nós que estamos lendo, mas depois vemos o quanto essa separação foi necessária para o crescimento das duas. Isso foi muito bom, pois podemos ver que aquelas pessoas que são para permanecer nas nossas vidas, permanecem até o fim, independente do que acontecer.  

A única coisa que me fez não favoritar o livro foi o final. Acredito que a autora queria apresentar um final de possibilidades, mas pecou bastante e não conseguiu fazer um fim legal. 
"Há algo de diferente em nós. Dá para sentir. Não tem a ver com o andar, nem com as dicas de maquiagem. Não eu na coisa que se possa rotular ou fotografar, mas que fica lá no fundo como uma sensação de ser o dia do seu aniversário - nada que seja visível, mas que intuitivamente se sente." (Pág 241) 
A capa está maravilhosa!! A edição da Editora Valentina está impecável. Com um toque de veludo na capa e o título em leve relevo, só deixam a obra ainda mais bela, toda a parte gráfica do livro está linda. 

Dumplin' é uma leitura obrigatória para aqueles que se amam como são e não vão mudar por que as pessoas acham que seu modo do viver está errado. A narrativa de Julie Murphy é uma jornada de (auto)descobertas e decisões, que nos impulsa a nos amarmos mais e abraçarmos aqueles que dividem a mesma dor que a nossa. Um livro maravilhoso que precisa ser lido por todos. 

Resenhado por:
Ítalo Bernardo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado pelo seu comentário!